VAGABOND VACATION

Processed with VSCO with f2 preset

Já era tempo. Mais de 2 meses depois de ter posto fotos no instagram que suscitaram perguntas sobre onde eram aqueles sítios incríveis por onde durante 1 semana andámos, finalmente venho cumprir o prometido e falar dos sítios onde estivemos no verão.

Todos os anos vamos 1 semana para fora cá dentro. Optamos sempre por fugir da praia durante 1 semana no verão porque 1) vivemos na praia o ano todo e sabe bem mudar de ares; 2) não estou para pagar para ir para um sítio com confusão, trânsito, multidões, mau serviço e preços inflacionados; e 3) nesta família todos adoramos a natureza e de nos “perdermos” no meio dela.

Este ano decidimos ir para a zona da Serra da Estrela. Procurei e encontrei um sítio para ficar que era a nossa cara. Chão do Rio é um sítio incrível na sua simplicidade. Um sítio bonito, onde se respira paz, sossego e vida. Tem 5 casas de pedra e telhado de colmo com um charme do caraças por dentro e por fora. E mais uma casa grande que foi em tempos antigos um abrigo de cabras. As casas ficam à volta de uma piscina biológica em formato de lago, rodeada de nenúfares.

Mal chegámos o meu filho despiu-se e ficou de cuecas. Disse-me que aquilo parecia a aldeia do Mowgli do Livro da Selva, e por isso queria andar como o Mowgli. No final do 1º dia o meu filho perguntou-me se podíamos ficar ali a viver. Está tudo dito. A casa tem tudo o que se possa precisar, incluindo uma caixa com brinquedos para quem tem filhos. Até um tanque de pedra natural há no terreno para lavar roupa à antiga. Há btt’s para se usar [a única coisa que precisa de revisão pois estão um pouco mal-tratadas], um carrinho de mão para transportar bagagem ou para fazer cross-fit com o puto lá dentro, camas de rede à frente de cada casa para descansar os ossos, baloiços para os miúdos e para os adultos que são miúdos, tudo. Para o pequeno almoço há uma cesta com requeijão de ovelha da região, doce de abóbora caseiro, fiambre de aves, ovos caseiros de uma capoeira castiça ali ao lado, sumo, fruta, pão, manteiga e um bolo caseiro típico da zona. Ainda há café, leite e chá na casa. Pão fresco ainda quente é entregue todos os dias às 17h em cada casa dentro de um saco do pão. A água da piscina biológica é morna, fruto do sol de 37 graus que ali bate e não do xixi como noutros sítios no verão. É um sítio onde ao final do dia um miúdo pode andar no baloiço de corda pendurado no ramo do sobreiro enquanto se grelha uns costeletões no churrasco de pedra ali ao lado. Ou bater um sesta na cama de rede ao som dos pássaros e da brisa. Ou deitar de costas junto ao lago à noite a olhar para o maior desfile de estrelas que alguma vez vão ver no céu enquanto os grilos nos embalam. Esqueçam contar estrelas. É impossível, tantas que são.

Os dias para ali são quentes nessa altura do ano e as noites são amenas, que é o que se quer. Explorámos muito do que havia para explorar por ali. E muito ainda ficou por explorar. Descobrimos algumas das cascatas, ribeiras, poços e piscinas naturais mais incrivéis que vi. A beleza natural destes sítios é de rebentar a escala. Subimos encostas, fizemos caminhos improváveis, escalámos pedras, percorremos trilhos. Mergulhámos e nadámos nas águas mais cristalinas e puras que alguma vez vi. Tudo limpo, intocado, foi assim que encontrámos toda a zona envolvente da Serra da Estrela. Um orgulho e uma satisfação ver a natureza assim. A contrastar com muitas zonas costeiras no verão, que infelizmente caiem vítimas dos feios, porcos e maus.

Felizmente não houve incêndios enquanto lá estivemos. Infelizmente é uma merda que teima em não desaparecer nos meses quentes e que dá cabo do que mais lindo e puro temos e que me dá cabo também dos nervos.

Uma última palavra para a simpatia contagiante daquela gente por ali. A começar pela Catarina [dona e criadora do Chão do Rio], passando pela Dona Emília e pela Sofia que nos receberam tão bem, e toda a gente que fomos conhecendo e falando por aquela região, em Travancinha, na Lapa dos Dinheiros, em Loriga, em Seia e por ali fora. Da comida na região nem falo para não me dar a fraqueza.

Enfim, assim sim vale a pena. Sítios maravilhosos que temos aqui mesmo em Portugal. Gente boa por este país fora. É só quererem ir à descoberta. A vida é feita disto. De descoberta. So get living.

Chão do Rio fica na castiça aldeia de Travancinha a 14km de Seia.

Todos os outros sítios que descobrimos e conhecemos que aparecem nas fotos e vídeos ficam na região e não ponho aqui as coordenadas nem as direcções exactas porque 1) é difícil explicar exactamente; e 2) como se diz “it’s not about the destination, it’s about the ride“. Procurem e vão descobrir por vocês próprios. Vão adorar. De nada.

Anúncios

4 thoughts on “VAGABOND VACATION

  1. Olá Pés no Sofá! Vamos para o Chão do Rio em Agosto e não queria mesmo perder este rio/lago que aparece nestas fotografias.
    Será que me podes dar indicação de onde é por favor?
    Obrigada!
    Sara

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s