O PUTO

Processed with VSCOcam with lv01 preset

do latim putu – «menino; rapazinho» || from the latin putu – «boy; little kid»

read in english

“Puto” diz ele para mim. Fiquei a olhar à espera do que vinha a seguir. “Puto” repete. E fica a olhar para mim. E  aí percebi que além de ele não saber exactamente o que era um “puto” ou como e quando usar a palavra, percebi também que não sabia com quem a podia usar.

Pensei que isto vai precisar da minha intervenção rapidamente antes que descambe.

Eu_ Filho, não podes chamar “puto” ao pai. Sabes o que quer dizer “puto”?

Ele_ Não.

Eu_ Puto quer dizer miúdo ou menino.

Ele_ Ah…

Percebendo que isto só assim não chegava para evitar males maiores e antecipando o que iria acontecer quando estivesse na escola, pergunto:

Eu_ E se for uma menina, como é que achas que se diz?

Ele fica a pensar, e diz: Puta.

Eu_ Não. Essa é uma palavra que não podes dizer nem chamar a ninguém. É uma palavra feia.

Ele_ Então como é que se diz para as meninas?

Eu_ “Puto” é uma palavra que não existe para as meninas. Só dá para usar com os meninos. Para as meninas, a palavra mais parecida é “miúda”. E “puto” é uma palavra que só podes usar com os amigos meninos da tua idade. Não se deve chamar “puto” às pessoas mais velhas do que tu e nunca aos adultos.

Ele_ Porquê?

Eu_ Olha, porque é assim, “puto” quer dizer miúdo e por isso não podes chamar nunca aos mais velhos.

Ele_ Mas pai… tu não és velhote. Tu és um miúdo.

Eu_ …………… És o maior, puto! Dá cá um abraço!

 

________________________________________________________________

 

Puto” he says to me. I just looked waiting for what was coming next. “Puto” he says again. And he just stares at me. Waiting to see my reaction. And right then I understood that not only wasn’t he quite sure of what puto meant or how and when to use the word, he also didn’t know with whom he can use with.

I thought to myself that this is going to need my intervention asap in order to avoid future mishaps.

Me_ Son, you can’t call “puto” to your father. Do you know what “puto” means?

My son_ No.

Eu_ “Puto” means kid or boy.

Ele_ Ah…

Aware that this simple explanation wasn’t enough to avoid greater damage and anticipating what might happen if he said this at school, I asked him:

Me_ And if it’s a girl, how do you think it’s said?

He thinks for a second and says: “Puta”. (note: which literally means whore in Portuguese)

Me_ No. That is a word you can’t say or call anyone. It’s a bad word.

My son_ So how do you say “puto” to girls?

Me_ “Puto” is a word that doesn’t exist for girls. You can only use it for boys. For girls, the closest word is “miúda”. And “puto” is a word you can only use for friends your age. You shouldn’t call “puto” to people older than you and never to adults. It’s disrespectful.

My son_ Why?

Me_ Well, because it just is. “Puto” means kid and you can’t call kid to an older person.

My son_ But dad… you’re not old. You’re a kid.

Me_ …………… You’re the best, kid! Let me give you a hug!

Anúncios

DOMINGOS

Processed with VSCOcam with f2 preset

love sunday sessions

read in english

Domingos de manhã são do que mais gosto. Até o meu filho nascer, eu odiava domingos. Dias de neura. Mas agora são do que mais gosto. Acordar cedo, vestir, calçar, agarrar os skates e os capacetes e as protecções e ir até à Boardriders. Ver o meu filho a divertir-se no skatepark é o meu elixir matinal. Olho para ele a dropar o bowl, a coragem nos olhos, a determinação na posição do corpo e o sorriso que vem a seguir, e o meu dia está feito. Às vezes ainda me lembro da médica da ecografia transfontanelar a dizer-me que o meu filho tinha uma leucomalácia porque tinha sido visto uma zona com líquido no cérebro. Ainda me lembro da médica dizer que ele provavelmente viria a ter dificuldade de movimento ou fraqueza muscular num dos lados do corpo. E de que da leucomalácia poderia vir a desenvolver paralisia cerebral. Já falei nisso antes. Mas porra, quando o vejo nos domingos de manhã, não deixo de me comover e de respirar fundo de alívio e de felicidade. E quando escrevo #damnblessed é porque é isso mesmo que sinto.

Ele não sabe de todas estas tangentes que passou. Não sabe porque é que respiro fundo de alívio quando o vejo a brincar, a correr e a saltar. Não faz ideia porque é que olho para o céu e sorrio quando o vejo a dropar um bowl ou a conseguir descer um rampa e ir ao quarter pipe e voltar sozinho. Ele não faz ideia. Mas faz bem ideia do quanto gosto dele e o admiro. Porque ainda ontem quando me deitei no final da noite no sofá e ele veio se deitar ao meu lado a ver TV, abracei-o e perguntei-lhe “sabes porque é que eu adoro-te filho?“. Ele respondeu “sei“. “Então porquê?” perguntei eu. Diz ele “porque eu sou o teu amigo, e porque gostas muito de mim, e porque sou o teu tesouro“. Sorri e disse-lhe “é isso mesmo filho, é que é isso mesmo” e dei-lhe um beijo.

Pode não saber muita coisa. Mas sabe uma das coisas mais importantes que uma pessoa pode saber. Sabe que os pais o amam. E assim acabou mais um domingo. Porra, adoro domingos.

 

________________________________________________________________

 

I love Sunday mornings. Before being a father, I used to hate Sundays. No joke. They were depressing. But now they’re my favorite. Waking up early, getting dressed, shoes on, grab our skateboards and helmets and pads and roll over to the Boardriders skatepark. Watching my son have fun at the skatepark is my morning potion. I see him dropping in the bowl, the courage in his eyes, the commitment in his posture, and the smile that follows, and my day is made. sometimes I still remember the doctor with the transfontanellar ultrasound telling me my baby son had a periventricular leukomalacia (PVL), a type of brain injury that involves the death of small areas of brain tissue around fluid-filled areas called ventricles. The damage they say creates “holes” in the brain. I still remember the doctor saying he might have some type of movement disorder or weakness on one side of his body. And that the PVL might lead to cerebral palsy. I’ve written about that before, I know. But damn, when I see him on Sunday mornings, I can’t help feeling moved and taking a deep breath of relief and joy. So when I hashtag #damnblessed I really mean it.

He doesn’t really realize the close calls he’s been through. He doesn’t know why I breathe of relief when I see him play, run and jump. He has no idea why I look up to the sky and to heaven and smile when he makes the drop into the bowl, or when he hits the quarter-pipe by himself. He has no idea. But he has a very good idea of how much I love and admire him. Because just last night, when I laid down on the sofa and he came to lay down next to me to watch TV, I hugged him and asked him “you know why I love you so much, son?“. He answered “yeah“.  “Why is it then?” I asked. He answers “because I’m your best friend and you love me and I’m your treasure“. I smiled and said “that’s right, son, that is exactly right” and I kissed him.

He may not know a lot. But he knows one of the most important things that one can know. He knows his parents love him. Just another Sunday. Damn, I love Sundays.